Categorias
Sem categoria

Empreendedorismo: do pequeno ao enorme.

Hoje trago uma coletânea de iniciativas empreendedoras, algumas fresquinhas outras revisitadas, conectadas sob a ótica do fundador ou CEO e sua atuação no negócio, de forma positiva ou negativa. Bora?

EMPREENDEDOR PERSEVERANTE

A história não é nova nem inovadora. Mas sempre nos toca pela perseverança e pela virada.

Após perder o emprego na área de vendas, montar e falir uma padaria, trabalhar como motorista de Uber, Marlon Barbosa, decidiu tentar novamente, mas com um diferencial claro, que chamasse a atenção dos clientes: passou a vender brigadeiro na praia, usando camisa social, gravata e avental. Indumentária não tão adequada ao nosso calor tropical, mas perfeita para chamar a atenção.

Fazendo uma análise rápida, este modelo de negócio oferece uma boa experiência de consumo ao cliente, porém tem baixa barreira de entrada – pode ser facilmente copiado – e é difícil de escalar de forma controlada – dificilmente replicado – o que impede a manutenção da uniformidade no processo.

SENSO DE OPORTUNIDADE

A pandemia trouxe grandes desafios e junto, muitas oportunidades. Também, infelizmente, mostrou e agravou o abismo que separa os extremos da nossa população.

Vivendo esta dificuldade na pele, um grupo de empreendedores de Porto Alegre, liderados por um ex-morador de comunidade na Zona Leste de São Paulo, decidiu criar uma startup que completasse as entregas nas chamadas “zonas de risco”.

No mercado, que domina a last mile, ou seja, quem percorre a última parte do trajeto e tem contato direto com o consumidor, tem poder e possibilidade de identificar dores e oportunidades mais rápido que o mercado em geral. E iniciativas como esta já pipocam por diversas cidades do país!

DOR LEVA AO EMPREENDEDORISMO DE CAUSA

Ainda na linha de resolver dores, trago um outro exemplo, desta vez com causa mais explícita: após viver frustrações no mercado em função do preconceito das empresas – e das pessoas – jovem surdo decide abrir sorveteria empregando surdos.

Il Sordo tem 80% dos seus colaboradores surdos, gerando emprego e visibilidade para a causa, além de proporcionar uma experiência reversa aos seus clientes. Eles são os diferentes, ao entrarem no estabelecimento mas, diferente do que ocorre lá fora, são bem acolhidos.

TENTANDO LIMPAR A BARRA E O PLANETA

Ainda amargando o prejuízo financeiro, moral e ambiental da tragédia de Brumadinho, a Vale lança uma iniciativa que busca converter uma volumosa parte dos seus resíduos em matéria-prima para a construção civil.

Anualmente, a Vale gera próximo de 700 milhões de toneladas de resíduos, sendo 550 milhões de areia, o segundo recurso natural mais consumido no mundo, perdendo somente para a água.

A ideia é separar e oferecer a sílica – areia – para as concreteiras e assim reduzir o volume de resíduos lançado nas barragens, podendo até, ser uma boa fonte de recursos para a empresa, que ainda engatinha com a iniciativa. A meta para 2022 é de vender 1 milhão de toneladas, menos de 2% do total produzido anualmente. Ainda engatinhando, mas com potencial.

QUANDO O FUNDADOR AMEAÇA O NEGÓCIO

Com o recente movimento do mega empreendedor Elon Musk comprando o Twitter e as consequentes oscilações do valor da Tesla no mercado, fica evidente o risco das ações do fundador impactarem diretamente na percepção de valor das suas empresas. Para cima ou para baixo. O risco é perder o foco no negócio estável e rentável, colocando dinheiro, energia e atenção – dele e do mercado – em negócios marginais ou, mesmo que grandes, abordados no momento errado.

Me lembrou Adam Newmann, fundador da WeWork – agora só We – empresa que oferece espaços corporativos no formato de coworking, que testou o limite da paciência dos seus investidores, desviando o foco dos negócios mesmo sem a empresa entregar resultado. E ainda sem dar retorno aos acionistas, ambicionava oferecer o mesmo modelo de negócio para moradia e educação, ocupando todos os espaços de convivência dos seus possíveis clientes. Com um modelos de negócio considerado caro pelo mercado, sem dar resultado mas pagando bônus ao seu fundador, a paciência do mercado acabou, culminando com a expulsão do fundador do cargo de CEO. E ainda nem havia a pandemia!

Categorias
Sem categoria

Consciência e Tecnologia: sinergia cada vez mais relevantes.

No radar de hoje conecto comida, economia, sustentabilidade, atitude e tecnologia. Você nem imagina como elas são próximas e cada vez mais sinérgicas.

REDE DE BANCO DE ALIMENTOS / REFEIÇÕES

Aqui no Brasil a Ação da Cidadania, numa parceria inédita com o Google, está mapeando os bancos de alimento do país. O objetivo é unir quem precisa do alimento, com quem o prepara e oferece. Da mesma forma, passará a dar visibilidade às estas iniciativas, facilitando também, o acesso aos potenciais doadores de recursos e insumos.

A ideia é interagir por meio de um cadastro único, da Rede Brasileira de Bancos de Alimentos, Despensas de Alimentos e Cozinhas Solidárias da Sociedade Civil, e que seja facilmente localizado por meio de uma pesquisa no Google e acessível por meio do Google Maps.

Ivan Patriota, responsável por este tipo de iniciativa no Google, afirma que “as entidades que participarem da plataforma terão acesso à rede de parceiros apoiadores da Ação da Cidadania e aos conteúdos informativos elaborados pela ONG em parceria com o WFP (Centro de Excelência contra a Fome do Programa Mundial de Alimentos).”

DOAÇÃO DE CESTAS BÁSICAS INOVADORA

Durante a pandemia a ONG Gerando Falcões, do Edu Lyra, conseguiu engajar os mais diferentes setores da sociedade, pessoas físicas e jurídicas, arrecadando mais de 70 milhões de reais para a distribuições de cestas básicas.

A grande sacada é que distribuíram cestas básicas digitais, um cartão, em parcerias com diversas empresas fornecedoras de benefícios de alimentação> A iniciativa elimina a necessidade da cara movimentação física dos alimentos, encurta o prazo entre a doação e a entrega, e como benefício adicional, aquece a economia local! Eles ainda estão aceitando suas doações.

COMÉRCIO E LOGÍSTICA

No Quênia, a Twiga se propõe a revolucionar a distribuição da produção de pequenos agricultores, oferecendo uma plataforma comercial e logística para escoarem a sua produção.

Apesar de ter nascido como produtora em grandes áreas cultiváveis, percebeu oportunidade de gerar crescimento, diversidade e suporte aos empreendedores que trabalham com agricultura familiar, inicialmente em seu país, mas já de olho em outros mercados africanos.

E NO MUNDO

Escalando para uma visão global, Ngozi Okonjo-Iweala, Diretora-Geral da OMC, esteve no Brasil na semana passada buscando o compromisso do governo brasileiro na ampliação das exportações para evitar uma crise alimentar.

Além da inflação, que já crescia no mundo como reflexo das ações de combate aos efeitos colaterais na economia, causados pela pandemia, a guerra na Ucrânia trouxe novas perssões para este ambiente, com subida nos preços de fertilizantes, energia e, por consequência, de alimentos. Rússia e a Ucrânia são fornecedores regulares para o mercado internacional e a suspensão das exportações destes países leva a OMC a projetar uma alta entre 0,5% a 5,5% para o comércio de mercadorias neste ano.

MAS NÃO HÁ NADA DE NOVO NO FATO

E o assunto não é novidade. Recuperei um episódio da minha coluna de 2015, quando comentei uma iniciativa na Suíça, onde moradores de um bairro se uniram na cidade de Genebra e criaram uma horta comunitária. Cada família planta um tipo de vegetal e compartilha com seus vizinhos. Na época, havia 50 mil hectares de hortas urbanas no país. E não era o único. Na Alemanha, existiam 80 mil fazendeiros urbanos, somente em Berlim. Já na Rússia, 72% das famílias que moravam em áreas urbanas, já cultivavam em seus jardins, parte da sua alimentação. Imagine hoje!?

________________________________________________________________________

Nesta edição falei sobre: #empreendedorismo #agricultura #sustentabilidade #tecnologia #startups #comida #consumo #inflação #guerra

No radar do Saade é uma newsletter de periodicidade incerta, que busca compartilhar pontos de atenção, cicatrizes, sacadas e gafes, com a aspiração de ser a dose recorrente de inspiração e aprendizado, para quem deseja começar algo novo, dar mais um passo no trabalho, nos negócios, ou na vida. Afinal, “sempre existe alguém começando algo novo.”