Um Fundo que investe em Direito Autoral de Artistas Brasileiros? Como não pensei nisso antes?

Acredito que muitos de vocês saibam da minha relação com a música. Sou baterista, tive banda, estúdio e não vivo sem meu Spotify.

Pois nas minhas leituras de final de semana encontrei uma matéria do Estadão, sobre um fundo de investimento com portfolio investido em direito autoral de músicas de artistas brasileiros. Amei a ideia.

E todos ganham. Principalmente, como um possível um caminho para financiar a arte sem a mão do governo e suas leis de incentivo à cultura, utilizadas de forma desvirtuada em alguns projetos. Não que eu seja contra aos instrumentos de fomento cultural. Entendo que são úteis e necessários. O ponto de atenção é que em alguns momentos são usados de forma errada ou mesmo ilícita, desviando estes recursos do seu propósito inicial.

O meu objetivo aqui neste momento não é criticar ou polemizar, mas trazer algo novo que pode ser de grande valia para os músicos, produtores e autores.

Destaquei um trecho da matéria do caderno e-investidor do Estadão: “Esse tipo de negócio começou no Brasil em 2020 com a Hurts Capital. A fintech, fundada em 2017 por profissionais vindos do mercado financeiro, estrutura e distribui ativos alternativos(…), como royalties de música.

De julho de 2020 até 31 de janeiro, a empresa já fez cinco operações, incluindo nomes da MPB, como Luiz Avellar, do rock, como Paulo Ricardo, do sertanejo, como Bruno César, e do funk, como Philipe Pancadinha. O volume captado já soma R$ 4,8 milhões. Para os investidores, estão disponíveis mais de 5.600 composições e gravações de músicos brasileiros, com rentabilidade prevista entre 12,78% (cenário pessimista) e 19,19% (cenário otimista).”

Compartilho o link da matéria para que possa entender e desenvolver a sua própria opinião sobre o assunto:

Compartilho o link da matéria para que possa entender e desenvolver a sua própria opinião sobre o assunto: https://einvestidor.estadao.com.br/investimentos/investir-em-musica-brasil-fundo/

E a foto em destaque é do Atikh Bana no Unsplash.