Publicado em Deixe um comentário

#DicaDoCompulsivo – Podcast The Entrepreneur’s Studio

A Dica do Compulsivo de hoje surgiu da caminhada de ontem rs

Sempre ouço um podcast que não está no meu radar quando caminho. Algo que nunca ouvi ou há muito tempo não ouvia.

A dica para o fim de semana é um episódio do Podcast The Entrepreneur’s Studio. Uma verdadeira aula de liderança, inconformismo, simplicidade e atitude empreendedora, com Will Guidara e seu conceito de Unreasonable Hospitality, ou Hospitalidade Irracional, numa tradução livre.

Vale ouvir e anotar. Tem insights o tempo todo!
E depois me conta o que achou!

Publicado em Deixe um comentário

Reflexões sobre um ano intenso

2023 está chegando ao fim. Talvez o ano mais intenso que já tinha vivido!

Pensei em compartilhar um balanço do que vivenciei nas minhas “diversas identidades”, como todos nós temos.

Perdi meu pai.

Tive um episódio de Paralisia de Bell que deixou meu rosto parcialmente paralisado.

Meu filho passou no vestibular e começou na faculdade. Duas vezes.

Minha filha começou seu estágio na faculdade, assumiu trabalhos voluntários e apertou sua agenda.

Minha esposa caminha para terminar sua segunda graduação e segue com seu trabalho com desorganizados crônicos e seu propósito de juntar pessoas e engajá-las em causas.

Fiz 25 anos de casado comemorando uma linda jornada de cumplicidade e de aprendizados

Alcançamos resultados incríveis no Espro, tanto em impacto social, como na aprendizagem, em projetos com empresas e na sustentabilidade da entidade.

Segui com a minha operação gastrite atendendo, em mentoria pro bono, empreendedores que precisam de orientação para decidirem caminhos para seus negócios.

Segui também com a minha missão de contribuir para o desenvolvimento das pessoas por meio da inclusão produtiva, seja através do primeiro emprego dos nossos aprendizes no Espro, seja pelo fomento empreendedorismo dos negócios de pequeno porte em nosso país, pelos empreendedores compulsivos, fazendo palestras, workshops e compartilhando dicas e cicatrizes, pelas redes sociais.

Mas talvez o fato mais importante tenha sido a percepção de que é mais urgente e está mais próximo, e em nossas mãos, a obrigação da realização de um novo contrato social.

Há muito tempo conversamos sobre novos caminhos no equilíbrio entre sociedade e negócios. Lembro de discutir em 1998, com meus alunos do MBA da ESPM Escola Superior de Propaganda e Marketing, sobre a dificuldade do Reino Unido manter o seu admirado “estado de bem estar social” – welfare state – assim como os países mais ricos enfrentavam dificuldades com suas equações no cálculo da aposentadoria de uma população que vivia, e ainda vive, cada vez mais.

O capitalismo sem freio aumentava as desigualdades e iniciativas socialistas aumentavam o custo do estado a valores insustentáveis. Ambas as iniciativas falharam ao se apresentarem como modelo ideal de contrato de sociedade que se perpetuasse no tempo.

Neste ambiente surge Antony Giddens e sua A terceira via”, título do livro e do estudo que propunha um equilíbrio entre os dois mundos, na época, defendido por Clinton, Tony Blair e FHC, que infelizmente também não prosperou.

Mais recentemente, a economista Minouche Shafik traz em seu livro “Cuidar Uns Dos Outros: Um Novo Contrato Social”, uma análise muito coerente de novos caminhos. Recomendo fortemente a leitura.

Os aprendizados da pandemia reiteraram que estamos numa sociedade extremamente desigual mas, principalmente, ampliaram as distâncias e as desigualdades.

Ao recordar estes  últimos cinco anos, ao mesmo tempo que faço uma reflexão muito positiva do caminho que estamos traçando, compartilho uma angústia crescente da necessidade de aumentar o volume e a profundidade do impacto social que gere autonomia e autoconfiança.

Depende de cada um de nós e lhe convido agora, já, para fazer parte desta transformação. Afinal, a vida é feita de relações. De gente com gente. Sempre.

Bora?

Publicado em Deixe um comentário

É sempre uma interação com o ambiente…

… cabe a cada gestor fazer a leitura e ter a coragem de tomar a decisão.

O Radar do Saade está de volta, depois de uma parada forçada para cuidar da saúde e recarregar as baterias. Boralá!

Sou um otimista inveterado. Confesso que às vezes isso incomoda as pessoas. Mas me policio para não passar dos limites rs

Neste retorno, gostaria de falar sobre análise de cenário, coragem para mudar e senso de oportunidade.

Vamos falar sobre diferentes estratégias e modelos de negócio e peguei o mercado de livros para servir de pano de fundo. Mas poderia ser qualquer outro.

Na mesma semana em que a livraria norte-americana Barnes & Nobles anuncia a abertura de mais uma loja nos Estados Unidos, a Justiça de São Paulo decreta a falência da Livraria Saraiva.

Na mesma reflexão podemos incluir a brasileira Livraria Cultura; a norte-americana Amazon, que, lembre, começou como livraria online; a francesa Librairie des Puf (Presses Universitaires de France) e a cafeteria Por um Punhado de Dólares, em São Paulo, que abriga uma livraria.

Diferentes estratégias, diferentes modelos de negócios, diferentes públicos, diferentes resultados, um mesmo objetivo: conquistar o consumidor e perpetuar o negócio.

Assim como a Saraiva, a Cultura fechou as suas portas por dificuldades agravadas na pandemia, para manter o modelo de negócio de megalojas e espaço de conveniência e consumo, com cafeterias, espaços de leitura e auditórios dentro de suas instalações. Coincidentemente o mesmo modelo da Barnes & Nobles, que recuperou o crescimento após sete anos seguidos de prejuízo.

Com o novo CEO, James Daunt – vindo de um vitorioso processo de virada na rede de livrarias britânica Waterstones – a livraria norte-americana entrou nos trilhos. Na sua visão, as lojas devem ter muita autonomia, para criar uma conexão com a comunidade onde está instalada. Livros, eventos, espaços. Inclusive abrindo mão de incentivos recebidos das editoras para a promoção de determinados títulos. E assim redesenhou a estratégia, com mais autonomia e poder nas pontas.

A Librarie des Puf não tem estoque e imprime o exemplar na hora, super rápido, enquanto o cliente saboreia um café ou passa os olhos em outros exemplares do “mostuário”. Já o Por Um Punhado de Dólares, aproveitou a conexão com seu público e estendeu seu portfolio, gerando uma forte conexão. Em menos escala, é exatamente a estratégia da Barnes & Nobles.

Se trocarmos as livrarias por padarias, oficinas mecânicas, farmácias, a leitura seria a mesma: o desafio da gestão do negócio consiste na análise de cenário, coragem para mudar e senso de oportunidade.

Independente do segmento, o ambiente sempre muda. É importante ficar atento à determinadas variáveis, determinados indicadores, que sinalizam o início da mudança do ambiente, e alimenta a análise da necessidade de mudança.

Com a necessidade de mudança validada, é necessário mudar a estratégia para alinhar o negócio ao novo cenário. Mas será que o empreendedor tem a coragem para mudar?

Mais ainda, as mudanças no mercado podem trazer oportunidades junto com as ameaças. É importante, ao ler o cenário, perceber as oportunidades que surgem, seja para pivotar uma operação, lançar ou descontinuar um produto ou serviço, investir no momento de incerteza para estar pronto quando a ameaça passar.

Seu modelo mental segue desta forma? Acredita que é importante ter atitude empreendedora? Entende que o erro é parte do acerto?

Para ilustrar, compartilho um episódio do Podcast dos Compulsivos, onde, junto com o Luiz Felipe Pateo, entrevistamos o Marcello Lage, fundador do Formaggio Mineiro, eleito o melhor pão de queijo gourmet do país. Definitivamente, não foi uma linha reta.

Também recomendo a leitura da edição de fevereiro do Radar do Saade, falando de empresas que cresceram e produtos que nasceram da adiversidade.

De novo, análise de cenário, coragem para mudar e senso de oportunidade.

Um não funciona sem o outro. E nunca será uma decisão fácil. Mesmo perdendo o jogo, o ser humano não lida muito bem com mudanças.

Publicado em Deixe um comentário

ESG: O limite nos negócios é determinado pela ética, não pelo lucro. E você é corresponsável, mesmo sendo “apenas” consumidor.

Fomos impactados com mais uma denúncia de trabalho escravo em ação dos Auditores Fiscais do Trabalho. Desta vez não foi uma olaria no interior do nordeste ou uma confecção no interior de São Paulo.

Foram duas das maiores produtoras de bebidas do país, e mais uma grande cooperativa do segmento vitivinículo. Salton, Aurora e Garibaldi passam a integrar uma longa lista de grandes empresas, que na busca por economia e eficiência, abrem mão do processo produtivo e, sem poder, abrem mão do controle da sua cadeia produtiva. 

Parto sempre da presunção de inocência, mas sem de forma alguma, isentar da responsabilidade. Juridicamente, se culposo ou doloso, ambos são responsáveis, em maior ou menor medida.

Entretanto, como executivo e gestor, entendo ser muito difícil o gestor de uma empresa não saber do que acontece ao contratar empresas terceirizadas para cuidarem de uma das fases mais importantes do seu negócio: a colheita da uva.

Mais ainda no caso da Salton. Seu recorde de faturamento no ano passado, 500 milhões de reais e a arrojada meta de faturar 1 bilhão de reais em 2030 não condizem com práticas como as descobertas na semana passada, com trabalho análogo à escravidão praticado por uma empresa terceirizada.

A sociedade saiu em resposta ao fato, exigindo explicações e agindo de forma preventiva. Entre outras ações, por exemplo, Salton, Aurora e Garibaldi foram suspensas da APEXBrasil, órgão governamental que cuida das promoções às exportações brasileiras, perdendo todo e qualquer suporte às atividades de promoção, vendas e exportação de seus produtos.

Infelizmente isso é bem mais recorrente do que deveria e do que acompanhamos. O mundo tem hoje cerca de 27 milhões de escravos, sendo mais da metade deles, 18 milhões, composto por crianças! O dado é de um levantamento da Slavery Footprint, entidade que monitora o tema globalmente.

Fiz um breve levantamento dos últimos 15 anos, de grandes marcas globais envolvidas neste tipo de escândalo, sempre com a característica de estar terceirizando sua produção para um país ou região onde a mão de obra é mais barata, na busca de mais economia, mais lucro ou ambos.

A Apple em 2012 teve sua terceirizada chinesa Foxconn denunciada em matéria do jornal The New York Times pelo abusos contra seus empregados, desrespeito às regras de segurança, contratação de menores de idade e,  absurdamente, até a morte de alguns funcionários.

No mesmo ano, a Coca-Cola teve uma denúncia contra seu fornecedor de laranjas, para a produção da Fanta que, na Itália, trabalhava com mão de obra escrava de imigrantes africanos. A empresa norte-americana imediatamente rescindiu o contrato com a empresa e não tocou mais no assunto.

O ícone esportivo Nike, acabou se tornando sinônimo de trabalho infantil no mundo, quando em 1996 uma criança paquistanesa de 12 anos estampou a capa da revisa Time, costurando uma bola. Desde então a marca vem buscando dar mais transparência e governança aos seus processos produtivos, mas ainda recebe denúncias sobre a continuidade dos abusos contra os trabalhadores das fábricas terceirizadas.

A Hershey’s também passou por isso na compra do cacau, adquirido em grande volume da África Ocidental, região onde se situa a Costa do Marfim, recorrentemente denunciada pela Unicef e a Internacional Labor Rights Forum, por explorar o trabalho  infantil.

Até a Victoria’s Secret, em 2011 teve seu fornecedor de algodão, também da África Ocidental, denunciado por uso de mão de obra infantil, explorando crianças e impedindo que continuassem seus estudos.  A Bloomberg News em 2011 trouxe à tona uma investigação de quase dois meses, com depoimentos de jovens que sofreram este abuso. A empresa nada fez sobre o assunto, limitando-se a parar de usar o selo de ‘comércio justo’ nas etiquetas dos seus produtos.”

A marca Zara é reincidente. No Brasil temos registro em 2011 na cidade de Americana, com trabalho escravo nas confecções terceirizadas no interior do estado de São Paulo.

O conceito / modelo de negócio fast fashion, aliado a cadeias produtivas longas e terceirizadas dificultam o controle, mas de forma alguma isenta as empresas detentoras das marcas, da responsabilidade de gerenciar toda a cadeira e garantir sua transparência e governança.

Existem vários estudos sobre o tema, mas destaquei um do Núcleo do Conhecimento, que trata sobre o TRABALHO ANÁLOGO AO ESCRAVO NA INDÚSTRIA TÊXTIL BRASILEIRA.

Até as marcas de luxo entram no bolo. Na busca pela milenar habilidade de bordar dos indianos, marcas como Dior, Saint Laurent e Gucci foram denunciadas em 2020 numa matéria da revista Time, mostrando a cadeia de bordados e seus abusos contra os trabalhadores.

No Brasil o volume tem crescido. Em 2021 foram resgatados quase 2.000 pessoas em 23 estados do país. Uma rápida busca no site do Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais do Trabalho mostra uma média de 20 matérias por mês sobre o tema, incluindo clipping, prestação de contas sobre notificações, multas, resgates e relatórios.

Podemos usar a teoria que o mercado ainda traz valores escravistas, que entende que  exploração da mão de obra é algo normal. 

Ou que a busca pela economia na produção, permite levar as fábricas para outras localidades com salários e impostos mais baixos, e uma regulamentação e fiscalização mais frouxas. 

Ou ainda que a pressão do mercado por preços mais baixos como premissa ao aumento do consumo leva as empresas a ações mais agressivas e menos éticas.

Sem uma governança clara e ativa, fica difícil impedir os abusos sobre a pessoa, sobre o social. Os valores das empresas e dos seus fundadores permeiam os negócios e suas relações. Tanto nas grandes como nas pequenas empresas, do lado corporativo estamos bem longe do caminho das pautas ESG.

Do outro lado, mesmo que você esteja indignado, sinto informar que em algum momento você consumiu, mesmo sem saber, algum produto ou serviço que tenha usado uma relação desequilibrada na relação capital / trabalho.

A questão é bem complexa e multifacetada. Muitas variáveis e interesses, pessoais e corporativos. Precisamos de uma mudança de mentalidade e de atitude para de fato interrompermos este ciclo.

Continuar indignado sempre que se deparar com fatos como este é uma forma. Mudar seus conceitos e padrões como consumidor, empreendedor e executivo é outra. E bem mais eficaz.

Não é nada fácil, mas é necessário dar o primeiro passo. E rápido.

Publicado em Deixe um comentário

O varejo sempre foi complexo. Mais ainda num mundo híbrido.

Estamos todos acompanhando perplexos os desdobramentos das Lojas Americanas, que começou com uma “inconsistência nos lançamentos contábeis da ordem de 20 bilhões de reais” e já passa de 100 bilhões.

Claro que isso impacta na bolsa de valores, nos grandes varejistas, no segmento bancário, no segmento de seguros e no mercado em geral. Já temos impacto nas Lojas Renner, Tok & Stock, Marisa.

Com certeza, você comprou ovo de páscoa em algum momento da sua vida nas Americanas. O preço era sempre matador. Ou talvez, criando uma neologia, “suicidador”.

Prazos de pagamento extremamente alongados, pressionando os seus fornecedores de todos os tamanhos era uma prática comum da empresa. Isso pode ter contribuído para esse “não lançamento” de obrigações.

Mas quero apenas pegar o gancho do momento atual para trazer uma visão ao longo do tempo.

O famoso Carnê do Baú da Felicidade, iniciativa do brilhante Silvio Santos para cobrar antecipado e parcelado, injetando recursos em suas empresas era algo único. As pessoas compravam os carnês e aguardavam, todo domingo, o sorteio dos números contemplados, que poderiam resgatar seus eletrodomésticos, móveis, eletrônicos e demais produtos para a sua casa. E com sorteio toda semana, era preciso manter o pagamento em dia. Outra sacada genial para evitar a inadimplência.

Era década de 1960, com elevada inflação e a pouca oferta de crédito para bens de consumo faziam do carnê uma das poucas, ou a única forma de acesso a esses bens para as classes C e D. O carisma do Silvio Santos, seu garoto-propaganda, e uma enorme capilarização na oferta, fez com que crescesse rapidamente e acabou criando uma simbiose :  O carnê fazia a TV crescer e a TV aumentava as vendas do Carnê do Baú. Credibilidade e prestação de contas dominicais, fizeram do produto uma mina de ouro.

Além da TV, verdadeiras blitzes aconteciam pelos bairros, onde se estacionava as kombis do Baú e de dentro delas saia um exército de vendedores, abordando cada residência, demonstrando o produto que vendia sonhos a longo prazo. Pagava-se a prestação mensalmente e todo domingo sonhava-se com o sorteio, que daria direito ao usufruto do bem. Semanas, meses, anos e décadas se passaram com o mesmo frisson e expectativas todos os domingos. E no final do carnê ainda podiam resgatar o valor pago em produtos!

Com a estabilização da economia as Casas Bahia acabaram com o carnê do Baú. Trouxeram a mesma mecânica, de um carnê com pagamento mensal, mas sem precisar esperar. Faz o carnê e já leva o produto no começo, sem precisar esperar. Foi catastrófico para o Baú. Matou o negócio, mesmo tendo tentado redesenhar o modelo.

Bem, o tempo passou, a moeda estabilizou, novas marcas e produtos apareceram e o dinheiro ficou mais barato e acessível. A somatória desses e de outros fatores começaram a ruir a base de sustentação do modelo de negócio do grupo Silvio Santos.

Nesse mesmo período, a habilidade de negociar com seus fornecedores, a agressividade na abertura de novas lojas e a continuidade massificada de anúncios fez com que as Casas Bahia ocupassem o mesmo espaço do baú, só que entregando o bem junto com a primeira parcela. Se por um lado elimina o prazer da expectativa e da torcida, por outro permite-se o usufruto imediato do bem tão desejado.

E as Casas Bahia ainda incorporaram outras tendências mercadológicas ao modelo. Patrocínio de eventos para diversas idades e perfis de públicos, além do desenvolvimento de ambientes temáticos como a Super Casas Bahia, que permite o acesso às tendências e a experiência de consumo completa, incentivaram mais o consumo imediato. 

O mesmo aconteceu nos Estados Unidos, com a rede varejista de eletroeletrônicos Radio Shack. Referência no segmento, perdeu relevância e praticamente desapareceu. Agora busca se reinventar. 

Ação diferente da Best Buy rede do mesmo segmento. Perceberam uma queda no volume de vendas, mesmo com as lojas cada vez mais cheias. Entenderam que as pessoas experimentavam e escolhiam os produtos nas suas lojas e voltavam para casa para comprar pela internet pelo menor preço.

Passaram a cobrar dos fabricantes de produtos pelo espaço da loja, criando espaços exclusivos de experiência entre os clientes e as marcas, aumentando sua receita e garantindo o acesso às lojas como forma de gerar vendas complementares. E claro, passaram a vender online.

Fato irreversível é que essa geração é a geração da experimentação, da vivência e do test drive. Querem experimentar, tocar, ouvir, ligar, mexer, montar…. Tudo isso antes mesmo de comprar.

Economia, tecnologia, cultura, hábitos de consumo, valores pessoais… Tudo isso compõe o mosaico que influencia o mercado de consumo. Definitivamente, não é para amadores. Às vezes nem para especialistas.

Fique atento.

Publicado em Deixe um comentário

Você só é reconhecido em público pelo que pratica com determinação quando as pessoas não estão vendo.

Semana passada, Lebron James superou a marca de maior pontuador da história da NBA, que pertencia há 38 anos a Kareem Abdul-Jabbar

Ok, você pode não gostar de basquete, não entender, não acompanhar… Mas se estava no Planeta Terra na semana passada, em algum momento você foi impactado pela informação.

Além de admirar o esporte, joguei basquete ininterruptamente por 10 anos da minha vida, competindo em campeonatos federados e estudantis, estaduais e nacionais. Senti e sei do esforço necessário para se competir. É necessário muito treino, resiliência, determinação, para passar pelas derrotas, frustrações, lesões ….

Quanto melhor você joga, maior a cobrança, maior a necessidade de treino. Nunca acaba. Só aumenta. E isso só engrandece a conquista da semana.

Com o tempo o treino muda, fica menos tático, mais estratégico. O físico muda de função, o equilíbrio emocional assume mais importância, a experiência faz toda a diferença.

Naturalmente me remete ao livro Outliers, de Malcolm Gladwell, que apresenta a teoria das 10.000 horas de prática que separam os prodígios dos mortais. Tão ou mais importante que o talento, é a sua determinação e a oportunidade de praticar, praticar, praticar, na busca da perfeição.

Você já teve a sensação de fazer algo de forma natural, instintiva, sem esforço? Repetir diversas vezes aquela receita de bolo que todos elogiam. Tocar um instrumento sem se preocupar em olhar se a mão está fazendo o acorde correto. Olhar para um cenário e a compreensão dele pular na sua frente, de forma natural e espontânea. 

Tudo vem da prática, do desejo de fazer, da determinação de seguir em frente.

E claro, trago a lembrança de outro livro, este do Ram Charam, Execução. Afinal, tão importante quanto planejar, é entregar. E muitos de nós patinamos neste momento.

Traçando um paralelo entre a vida corporativa e a vida esportiva, a cada novo campeonato as estratégias são ajustadas, os times são recompostos, jogadores mudam de uniforme e de lado, novatos aparecem e veteranos se despedem ou traçam novos caminhos, fora das quadras.

Empresas lançam novos produtos e serviços, adequam sua estratégia ao novo cenário, trazem reforços para o time, descontinuam unidades, avançam em novos mercados, celebram novas parcerias e encerram outras.

O que você e sua empresa fizeram na virada de ano? Para onde a sua estratégia vai lhe levar? Você possui indicadores para acompanhar a execução e ajustar, caso necessário? Até agora, está indo bem? Percorremos 12,5% do ano! Já parou para pensar nisso?

Voltando para o basquete, mas continuando com o negócio, o recorde da semana passada, com certeza, venderá mais camisas amarelas número seis do Lakers, venderá mais ingressos, aumentará os frequentadores dos bares nos dias de jogo, venderá mais bolas de basquete, levará mais pessoas aos parques com quadras nos fins de semana, enfim, aquecerá, mais ainda, um mercado que já é enorme no mundo! 

Para fechar a nossa conversa gostaria de comentar a beleza e a sutileza do momento exato da conversão da cesta que quebra o recorde: Na imagem icônica registrada por Andrew D. Bernstei (NBAE / Getty Images), enquanto o ginásio inteiro apontava seus celulares para eternizar o arremesso, Phil Knight, fundador da Nike, patrocinadora do atleta há 20 anos, saboreava a o momento, na primeira fila, com as mãos e os olhos livres, vivendo e eternizando o momento que ele, de alguma forma, contribuiu para que ocorresse. Basta olhar para os números da Nike e perceber que ele, Phil Knight,  assim como Lebron James, é um superador de recordes.

Congrats, King james!

Publicado em Deixe um comentário

O desafio da gestão de negócios culturais. No Brasil e no mundo.

Ontem foi decretada a falência da 𝐋𝐢𝐯𝐫𝐚𝐫𝐢𝐚 𝐂𝐮𝐥𝐭𝐮𝐫𝐚.
Frequentei muito o ambiente, li livros para os meus filhos dentro do dinossauro de madeira, fiz reuniões no café, participei de mesas redondas no teatro, assisti a pocket shows sensacionais, como este do John Pizzarelli, prestigiei o lançamento de livros de amigos e de desconhecidos, enfim… Vivi intensamente o espaço.
Recentemente no meu 𝐍𝐨 𝐑𝐚𝐝𝐚𝐫 𝐝𝐨 𝐒𝐚𝐚𝐝𝐞 comentei algumas iniciativas na França e nos Estados Unidos, de livrarias buscando novos modelos, novos formatos.
Triste, mas otimista pela cultura. Essa que não é livraria, mas nos acolhe faz crescer.

#falasaade#educação#cultura

Publicado em Deixe um comentário

Tempos difíceis criam coisas incríveis!

Nesta semana comemoramos o dia da Nutella!

Você sabia que este creme de avelã que gera dependência química e psíquica (rs) é um produto que nasceu em função das restrições decorrentes da Segunda Guerra Mundial?

Após o fim da guerra, muitas matérias-primas estavam escassas e com acesso restrito. E não foi diferente com o cacau. O creme foi criado com avelã para compensar a falta de cacau, reduzindo bastante o seu uso na produção.

Este é apenas um dos muitos cases de produtos e soluções criados em momentos difíceis. Alimentação, mobilidade, comunicação, tudo acaba recebendo contribuição para evolução. Restrição e escassez nos obrigam a ser mais criativos, ousados e proativos.

Muitas soluções criadas para momentos de guerra acabaram se tornando de grande utilidade para o nosso dia a dia e utilizamos até hoje. O leite condensado, a scooter Vespa e o celular são algumas dessas soluções.

Ah… depois pesquise, pois você tem usado o leite condensado de forma errada a vida toda.

Também na escassez as desigualdades aparecem de forma mais intensa, destacando a urgência de buscarmos soluções para a fome, para a saúde e demais problemas sociais.

Meu ponto aqui é que não existe o momento ideal, perfeito para a solução ser criada. Pode ser a qualquer momento. Destaco apenas, que em momentos mais extremos isso é acelerado.

Na mesma linha de raciocínio, durante a pandemia, acabamos inventando soluções ou perdendo o preconceito, o medo de utilizarmos tecnologias já existentes e de implementar projetos que vínhamos postergando há tempos.

Inovar e empreender estão na mesma estrada. Acredito que o curativo está para o empreendedorismo assim como a lâmpada está para a inovação.

É necessário um bom entendimento do todo, inconformismo, disciplina, coragem para tentar, tolerância ao erro, persistência e capacidade de integrar diversas visões para construir uma nova.

Assim vimos surgir, em plena pandemia, serviços de curadoria de livros como serviço complementar de livraria, serviços de locação de ferramentas para residência, startups encurtando distância entre o produtor de pequeno porte e os consumidores e muito mais.

Você se viu obrigado durante a pandemia a pensar diferente e criar alguma nova solução para o seus clientes e o seu mercado? No segmento onde você atua aconteceu alguma grande transformação que mudou a forma com a qual você e seus concorrentes operavam? Será que esta não é uma oportunidade para você mudar o jogo?

A frase toda crise é uma oportunidade disfarçada nunca foi tão verdadeira!

Publicado em Deixe um comentário

O mercado – e a vida – se movem em ciclos.

Talvez este tenha sido um dos aprendizados mais difíceis que tive para incorporar.

A vida se move em ciclos. O mercado se move em ciclos. O tempo se move em ciclos.

E esses ciclos são evolutivos, como nas etapas do nosso amadurecimento, ou repetitivos, como nas estações climáticas. Também são repetitivos em ciclos de recessão e expansão, de escassez e abundância.

Estamos vivenciando um movimento nas empresas de tecnologia que aconteceu dois anos antes, com a economia real, que colapsou no mundo todo com o lockdown, obrigando empreendedores a reinventarem suas empresas, suas relações com clientes e fornecedores, e seu modelo de negócio.

Pode ser que as empresas de tecnologia tenham acelerado demais durante a pandemia, errado na análise da velocidade do retorno, não levado em conta a desaceleração do mercado mundial, ou estes e mais outro fatores juntos.

Desde a segunda metade do ano passado vivenciamos um cenário de demissões nas grandes empresas de tecnologia. Desde as globais, como Salesforce, Google, Face, Twitter, SAP, até as brasileiras, como Quinto Andar e PagSeguro.

E como tudo se move em ciclos, esta crise nas empresas de tecnologia não é novidade. Na segunda metade da década de 1990, presenciamos um crescimento absurdo no valor das empresas cotadas na NASDAQ, de maneira acelerada e, agora entendemos, artificial. Assim, a partir de 10 de março de 2000 aconteceu o estouro da bolha das “PontoCom”, e ao longo de todo o ano, as empresas de tecnologia apresentaram uma desvalorização em massa, já que seus planos de negócios estavam inflados, prometendo resultados que jamais vieram ou viriam.

Voltando ao presente, o ano de 2023 já começou com a IBM e Amazon ajustando seus quadros em função do resultado ruim do ano anterior.

Também estamos presenciando rodadas de baixa, as Down Roads, quando se aporta capital exigindo uma participação maior do negócio como contrapartida, desvalorizando assim, o negócio.

Mas notem que o valor de uma empresa é, em muito, ligado à sua imagem, ao seu potencial de entrega e não necessariamente seu valor tangível, imobilizado, financeiro. Assim como no mercado de capitais, apostamos no crescimento do valor percebido de uma empresa, para que com seu crescimento ela valorize mais do que fatura, mostrando potencial e melhorando a remuneração de quem apostou nela.

E isso vale para empresas de tecnologia, varejo tradicional e até grandes grupos. Olha as Americanas aí, bagunçando o mercado físico e digital.

Voltando às empresas da economia real, mais precisamente as PMEs sinto que apesar das grandes cicatrizes, as que sobreviveram aprenderam a jogar o jogo.

Os números não são exatos, mas estima-se que mais de 1,4 milhão de empresas fecharam as suas portas em 2021, por diversos motivos, como falta de recursos financeiros, falta de gestão, dificuldade de transição do modelo comercial, problemas operacionais, entre outros. Claro que a falta de dinheiro pode criar um efeito dominó com outros motivos, sendo tanto causa como consequência.

Curiosamente, ou perseverantemente, no mesmo período 1,2 milhão de novos negócios foram abertos. Também tentando entender, pode ser em virtude de demissões em empresas de maior porte, com funcionários buscando renda enquanto não encontram recolocação; funcionários de pequenas empresas que fecharam, buscando ocupar o espaço deixado; empreendedores entendendo o momento como oportunidade para resolverem novos problemas, surgidos com a pandemia.

Entramos no Brasil em um novo ciclo político, nos estados e no governo federal, que definirão parte do cenário onde atuaremos com nossos negócios. A outra parte vem de fora, com influência da economia global, que parece estar mal humorada neste ciclo.

Melhor ter planos A, B e C para seguir em frente. Jamais ficar parado. Afinal, ciclo é sinônimo de movimento e não fazer nada é uma escolha. Ruim.

Publicado em Deixe um comentário

Carta aberta de Gratidão a São Paulo

Querida São Paulo,

Sempre próximo do seu aniversário eu comemoro e agradeço o meu aniversário de SP!

Então decidi reeditar uma carta que escrevi há alguns anos para você, nos seus 469 anos agradecendo por me acolher tão bem desde o primeiro dia.

Vir para São Paulo na maioria das vezes é uma escolha natural, um chamado, uma atração. E sempre somos acolhidos de forma generosa e desafiadora, grandiosa e detalhista, intensa e delicada.

Foi uma escolha natural de morar, viver e empreender na cidade mais cosmopolita do continente, numa das maiores e mais globalizadas cidades do mundo. E falo com experiência de quem, a trabalho ou a passeio, já respirou os ares de grandes metrópoles, como Londres, Milão, Paris, Genebra, Nova Iorque, São Francisco, Chicago.

Mais da metade da minha vida passei aqui: 31 em seus metrôs, taxis, bicicletas, prédios, monumentos, parques, eventos. Negócios inovadores, tradição protegida, convergência de povos e culturas, produtos de luxo, ofertas para a massa. Conflitante e convergente, fria e emotiva, acolhedora e implacável.

Somos obrigados a aprender rapidamente o seu ritmo, e a perceber seus delicados caprichos. Tenho certeza que os “novos paulistanos” que para cá vieram, assim como o fizeram por opção consciente, com ou sem plano, mas com certeza da acolhida e da prosperidade.

Mesmo com o frio na barriga, o medo do desconhecido, mesmo com muito esforço e dificuldade, é certo o impacto da sua grandiosidade. Nos sustentamos na confiança da nossa competência e no nosso potencial. E quando a vontade com competência encontra as oportunidades que você nos oferece, a mágica acontece.

Aprendi, com muitas cicatrizes, que ninguém faz nada sozinho. Que uma boa rede é poderosa e cuidadosa.

Assim como a cidade me acolheu, fui acolhido e ajudado por inúmeras pessoas, extremamente generosas, que me ensinaram a viver nesta cidade, a crescer profissionalmente, abrindo portas, me apresentando a outras pessoas, me oferecendo oportunidades e desafios. A todas elas, e foram muitas, sou extremamente grato.

Desde 2019, quando passei a integrar o Time Espro, pude perceber mais claramente as desigualdades desta cidade, aumentando a responsabilidade e o empenho de transformar a sociedade por meio da educação empreendedora e agora, também pela formação para o mundo do trabalho.

Muito obrigado São Paulo, por me acolher, me desafiar, me ensinar. Por não me mostrar o caminho, mas permitir que eu criasse o meu, deixando as minhas pequenas marcas, as minhas singelas contribuições, para que você continue fazendo o que faz de melhor: acolher e desafiar os que aqui vivem.

Termino acrescentando mais um ítem na minha história, de brasileiro, capixaba, descendente de libaneses, empreendedor compulsivo, executivo, professor, aprendiz e apaixonado por São Paulo e tudo que ela proporciona.